WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura de ilheus



abril 2021
D S T Q Q S S
« mar    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
videos


Boa notícia: Bahia recebe mais 281.400 doses de vacinas, entre Coronavac e Astrazeneca

Mais 281.400 doses de vacinas contra a Covid-19 chegaram à Bahia nesta quinta-feira (8). Do total, 152 mil foram produzidas pela Fiocruz/Astrazeneca/Oxford e 129.400 pelo Butantan/Sinovac. Com esta carga, que chegou ao aeroporto de Salvador por volta das 9h45, o estado totaliza 3.274.950 doses recebidas, entre Coronavac e Oxford, desde o dia 18 de janeiro, quando chegou a primeira remessa. Este é o décimo segundo envio que chega à Bahia.

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, explica que “as vacinas serão enviadas imediatamente aos municípios, em uma operação que conta com aeronaves do Grupamento Aéreo [Graer] da Polícia Militar e da Casa Militar do Governador [CMG], logo após a conferência da carga pela equipe de imunização do estado”.

As vacinas que chegaram nesta quinta-feira (8) serão enviadas, exclusivamente, aos municípios que aplicaram 85% ou mais das doses anteriores. Esta é uma decisão da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que é uma instância deliberativa da saúde e reúne representantes dos 417 municípios e o Estado.

Esta nova remessa dará possibilidade de que continue sendo imunizado o público-alvo da primeira fase do plano de vacinação contra Covid-19. Em definição feita em CIB, há ainda autorização para os municípios que conseguirem alcançar as metas da primeira fase, ampliarem a aplicação das doses para idosos de 60 anos ou mais. A população quilombola, pessoas com doença renal crônica em tratamento de hemodiálise e profissionais das forças de segurança também continuarão a ser vacinados, como ficou definido em reunião da CIB.

Em um comparativo nacional, a Bahia está posicionada como segundo estado que vacinou o maior percentual da população. Os dados precisos, com número de pessoas vacinadas, são atualizados regularmente e podem ser encontrados no painel de vacinação da Secretaria da Saúde do Estado.

Saúde: Mesmo com vacina, medidas sanitárias de segurança têm que continuar

Por: Veja

Portugal entrou hoje na segunda fase do desconfinamento – o que significa que nesta semana reabrem museus, monumentos, palácios e galerias de arte do país, além de lojas de bens não essenciais (como roupa ou calçado). Na Inglaterra, a previsão é de que cabeleireiros, lojas não essenciais e bares e restaurantes reabram no próximo dia 12. Ambos realizaram lockdowns e viram o efeito dos recuos: no primeiro caso, o confinamento fez a média móvel de sete dias de casos diários cair dos 12.478 em 26 de janeiro para 418 no último dia 4, e os óbitos (média móvel) caírem de 290 em 1º de fevereiro para 6 também até o último dia 4. No segundo, uma em cada 370 pessoas testou positivo para Covid-19 na semana até 27 de março, contra uma para 340 pessoas na semana anterior.

No dois países, apesar dos primeiros passos na reabertura, seguem em vigor as medidas sanitárias de proteção: distanciamento social, higienização das mãos e dos espaços públicos e não-aglomeração. Talvez agora, no momento em que a reabertura se inicia, tais medidas talvez sejam até mais necessárias que antes.

Isso porque nós, seres humanos, temos a tendência a nos expormos mais ao risco à medida em que aumenta a sensação de que estamos em segurança. Esse fenômeno foi batizado de Efeito Peltzman, em homenagem ao professor de Economia da Universidade de Chicago Sam Peltzman. A vacinação cria a sensação de que só de saber que o imunizante está disponível, ou a caminho, já se pode de algum modo começar a relaxar nos cuidados para prevenir o contágio.

Essa sensação de segurança, é claro, não encontra apoio nos fatos. A vacina só começa a oferecer imunidade algumas semanas depois de ministrada a segunda dose. Além disso, embora a imunização torne menores os riscos de desenvolvimento de um quadro grave ou óbito no caso de uma reinfecção, não impede que esta aconteça – e reinfectada, a pessoa pode continuar a transmitir. Isso tudo sem considerar as variantes, para as quais a eficácia da vacina é incerta.

Relatos na imprensa internacional dão conta de pessoas que, ao chegarem a centros de vacinação, colocam a máscara sob o queixo e ignoram o distanciamento. Mesmo entre profissionais da saúde se observou menos cuidados no uso de equipamentos de segurança – o que tem efeito potencialmente desastroso, dado o risco de infecção a que tais pessoas ficam expostas.

No Brasil, onde a vacinação caminha em ritmo angustiantemente lento, mesmo à luz dos números de óbitos e infecções, mal se consegue fazer com que o uso de máscara se torne a regra.

Por falar em números, sua leitura enviesada é outro fator que pode proporcionar essa falsa sensação de segurança. O que se faz para tentar dizer que a situação no Brasil não é tão negativa é ora considerar os números absolutos, ora considerá-los em proporção. Mas não parece que seja possível fazer uma leitura menos negativa dos números em nosso país.

Segundo dados do site Our World in Data (da Universidade de Oxford), em 31 de março ocorreram 11.769 óbitos por Covid em todos os países do mundo – uma população de quase 7,8 bilhões. No Brasil – com 212 milhões de habitantes (2,7% da população mundial), no mesmo dia, houve 3.869 óbitos por covid. Ou seja: de cada cem pessoas no mundo, três são brasileiras; e de cada cem casos de morte por Covid-19, 33 ocorreram no Brasil. Não há leitura positiva possível num quadro assim.

No Brasil, a vacinação ocorre a conta-gotas; não houve restrições de deslocamento sequer parecidas com o observado em Portugal, Inglaterra e outros países; e o avanço da Covid-19 segue descontrolado, com previsões de 500 mil óbitos para maio. Na prática, nem chegamos ainda ao estágio de verificarmos o efeito Peltzman. Mas é um fenômeno real, e serve para lembrarmos que, enquanto a pandemia estiver ativa, qualquer sensação de segurança no futuro próximo será ilusória. Vacinado ou não, distanciamento social e higienização das mãos continuam a ser extremamente importantes.  Talvez ainda mais.

Covid-19: os bastidores da chegada de um medicamento inovador no Brasil

Por: Veja

Um novo tratamento contra a Covid-19 poderá ser aliado para reduzir as taxas de internações e óbitos no Brasil. Trata-se da combinação dos anticorpos monoclonais bamlanivimabe e etesevimabe desenvolvidos pela farmacêutica Eli Lilly, que teve pedido de uso emergencial protocolado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no último dia 30.

De acordo com estudos de fase 3, o fármaco — dedicado às pessoas com casos leves e moderados da doença, fora do suporte respiratório — foi capaz de reduzir em 87% desenvolvimentos severos da infecção, como hospitalização e a morte. A aplicação é única, diluída no soro fisiológico e dura aproximadamente uma hora. Os resultados positivos, conforme observados no estudo, aparecem após os três primeiros dias, quando a carga viral começa a diminuir.

O tratamento é dedicado a quem tem fator de risco e apresenta, ao menos, um sintoma da Covid-19, e testou positivo para a doença. “A população estudada para receber o tratamento tem idade acima de 65 anos ou tem diagnóstico de problemas renais crônicos, doenças imunossupressoras ou obesidade, com índice de massa corporal acima de 35 “, diz Fernanda Pimentel, diretora médica da Eli Lilly. “Há também outros grupos, como pacientes acima dos 55 anos com doenças respiratórias crônicas ou cardiorrespiratórias”. Para infectados com faixa etária entre 12 e 17 anos o uso é indicado exclusivamente aos que tenham problemas respiratórios, distúrbios neurodegenerativos ou complicações cardíacas congênitas ou adquiridos.

Uma vez aprovado pela Anvisa — o prazo de análise pode chegar a 30 dias — a expectativa é que as primeiras doses cheguem ao país em cerca de um mês. A fabricação se dará nos Estados Unidos, a distribuição no Brasil deverá ser feita por meio da rede pública, conforme diz a legislação da agência reguladora brasileira. Ainda não há, porém, negociação nem acordo conhecido com nenhuma das esferas do SUS. “Esperamos que os organismos de governo nos procurem para fazer a compra do medicamento assim que ele esteja liberado pela Anvisa”, explica Orlando Silva, diretor de assuntos corporativos e regulatório da empresa. O preço por uso também não é conhecido.

O contato com o Ministério da Saúde, diz Orlando Silva, se deu por meio de reuniões meramente informativas no final do ano passado. A empresa só irá negociar valores e entregas tão logo seja avalizado pela agência reguladora. “O Brasil, por conta da atual situação de aumento de casos e mortes será prioritário para ter acesso ao medicamento”, concluí.

O novo tratamento combinado funciona como uma aplicação extra de anticorpos contra o coronavírus no organismo de pessoas infectadas, impedindo a evolução severa da doença. “Os principais efeitos adversos detectados são náusea e tontura”, afirma a diretora clínica Fernanda Pimental.

Para aprovação no país, o coquetel conta com um valioso trunfo: a liberação pela Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora de medicamentos nos EUA. Ainda que essa autorização não garanta a aprovação automática no Brasil, as duas entidades utilizam mecanismos semelhantes de análise, portanto, espera-se que esse tipo de aval acelere parte do processo junto à Anvisa. Em suma, seria uma forma de facilitar o rigoroso rito de análise.

Atualmente, cerca de trinta profissionais da Lilly trabalham ativamente na operacionalização do medicamento no Brasil. A empresa será única responsável pelo uso do coquetel no país, diferente das vacinas que normalmente contam com parcerias junto à instituições de saúde nacionais.

Toque de recolher volta a ser das 20h às 5h de acordo com novo decreto estadual

O último decreto estadual alterou o período do horário do toque de recolher na Bahia, que voltou a ser das 20h às 5h. Com vigência a partir de hoje, 5, até o dia 12 de abril, próxima segunda-feira, a medida restringe a locomoção noturna, com proibição da permanência e o trânsito em vias, equipamentos, locais e praças públicas.

Estabelecimentos comerciais e de serviços deverão encerrar as suas atividades com até 30 minutos de antecedência do horário de início do toque de recolher, para garantir o deslocamento dos funcionários e colaboradores às residências. Restaurantes, bares e congêneres deverão encerrar o atendimento presencial às 18h, mas serviços de entrega em domicílio (delivery) de alimentação, estão permitidos até às 24h.

Das 18h do dia 9 de abril, até às 5h de 12 de abril, está proibida a venda de bebida alcoólica em qualquer tipo de estabelecimento, inclusive por delivery.

Academias e estabelecimentos para atividades físicas, têm funcionamento permitido de 5 a 12 de abril de 2021, desde com 50% da capacidade e respeito aos protocolos sanitários. Ainda estão proibidas a prática de quaisquer atividades esportivas coletivas amadoras. Porém, as práticas individuais, desde que não gerem aglomerações, estão autorizadas.

Os atos religiosos litúrgicos também são permitidos, mas com o distanciamento social, uso de máscaras, limitação da ocupação ao máximo de 30% da capacidade do local e instalações físicas amplas, que permitam ventilação natural cruzada.

Governo da Bahia volta a declarar estado de calamidade no estado

O Governo do Estado da Bahia publicará na edição do Diário Oficial do Estado desta terça-feira (6) um novo decreto declarando estado de calamidade pública em todo o território em virtude da pandemia da Covid-19. Este é o terceiro decreto do tipo publicado pelo governo baiano para fins de prevenção e enfrentamento ao novo coronavírus. A medida autoriza a mobilização de todos os órgãos estaduais, no âmbito das suas competências.

A publicação do decreto segue normativa do Ministério do Desenvolvimento Regional e viabiliza a liberação de recursos por parte do Governo Federal para que sejam aplicados nas medidas de prevenção, controle, contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, a fim de evitar a disseminação da doença.

Famosos: Cacau Protásio é internada por pancreatite aguda ‘muita séria’ e passa por cirurgia

Crédito: EXTRA

A atriz Cacau Protásio, de 45 anos, foi internada e passou por uma cirurgia na madrugada desta quarta-feira, dia 5, para tratar uma pancreatite aguda. A informação foi dada pelo fotógrafo Janderson Pires, o marido da artista.

“Obrigado pelas mensagens. Cacau fez a primeira cirurgia, deu tudo certo, e vai fazer uma segunda operação na semana que vem. Foi uma pancreatite aguda muito séria, por isso ela se internou para tratar, ainda mais nesse momento tão delicado (a pandemia do coronavírus) e de muito medo”, escreveu Janderson.

Cacau fez exames de Covid-19 e o resultado deu negativo. Para se cuidar, a artista ficará afastada das redes sociais, informou o marido

Educação: Começa nova etapa de matrícula para alunos novos na rede estadual nesta segunda-feira (5)

Dando seguimento ao calendário de matrícula da rede estadual de ensino para o ano letivo 2020/21, que vai até o dia 14 de abril, a Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) inicia, na próxima segunda-feira (5), uma nova etapa do processo para alunos novos e transferência para estudantes da rede que desejam mudar de escola. A matrícula está ocorrendo por blocos de municípios e Núcleos Territoriais de Educação (NTE) e os pais ou estudantes precisam consultar as datas, conforme o cronograma disponível no Portal da Educação. Nesta etapa, que vai até o dia 8 de abril, a ação envolve estudantes de 125 municípios de sete Núcleos Territoriais de Educação (NTEs). A relação dos municípios correspondentes a cada NTE e os telefones das escolas também estão disponíveis no Portal da Educação. Quem é aluno da rede estadual já teve a matrícula renovada automaticamente.

A matrícula para alunos novos pode ser feita pelo SAC Digital, no endereço eletrônico www.sacdigital.ba.gov.br/, ou pelo aplicativo SAC Digital (disponível, gratuitamente, nos sistemas Android e IOS). Para os estudantes ou pais sem acesso à internet, a matrícula pode ser realizada em qualquer escola da rede estadual, mesmo não sendo aquela que o estudante vá estudar, mediante agendamento prévio por telefone. Este também é o critério para os estudantes que são da rede e queiram mudar de escola.

A matrícula de concluintes do 5º ano ou 9º ano do Ensino Fundamental regularmente matriculados na rede pública municipal de ensino, no ano letivo de 2020, cujas escolas não oferecem a série subsequente, será de 6 a 8 de abril. Já para o ingresso do candidato em unidade escolar da rede estadual em qualquer ano/série para o Ensino Fundamental, a matrícula nova será no dia 8 e, para o Ensino Médio, nos dias 7 e 8.

Este terceiro bloco de matrículas contempla os seguintes NTEs: Ribeira do Pombal (NTE 17); Alagoinhas (NTE 18); Feira de Santana (NTE 19); Vitória da Conquista (NTE 20); Santo Antônio de Jesus (NTE 21); Jequié (NTE 22); e Santa Maria da Vitória (NTE 23). Dentre as cidades, destacam-se: Aporá, Esplanada, Rio Real, São Felipe, Ubatã e Varzedo, entre outras.

Como faz a matrícula on-line

Para fazer a matrícula on-line, o estudante deve fazer o cadastro no SAC Digital. Basta acessar o endereço www.sacdigital.ba.gov.br na internet e clicar na opção “Cadastre-se”. Caso prefira, o estudante pode fazer seu cadastro no aplicativo SAC Digital. O app está disponível para celulares Android e iOS. Se o aluno novo for menor de 16 anos, o cadastro deverá ser feito em nome dos pais ou do responsável.

Na internet ou no app, será necessário preencher os dados pessoais, como nome completo, CPF, data de nascimento, e-mail e telefones para contato, entre outros, clicando em “Avançar”. Nas páginas seguintes, serão preenchidas informações sobre endereço do estudante e senha para acesso à plataforma. Todos os dados fornecidos serão confirmados na quarta e última página.

Uma mensagem será enviada para o e-mail cadastrado no SAC Digital para a ativação da conta. Com isso, o estudante poderá acessar a plataforma em “Entrar”, fornecendo senha e login, e buscar o serviço “Solicitar matrícula para aluno novo”.

Para a comprovação da matrícula, os alunos novos precisarão apresentar, em data a ser agendada com a escola, os seguintes documentos: original do Histórico Escolar; original e cópia da Cédula de Identidade ou Certidão de Registro Civil; original e cópia do CPF; original e cópia legível com data recente do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU, cartão de crédito ou TV por assinatura); original e cópia da carteira de vacinação; cópia da Cédula de Identidade da mãe do aluno; e cópia do CPF da mãe do aluno.

Auxílio-emergencial: pagamento começa na terça-feira, dia 6 de abril: veja o calendário

Auxílio Emergencial 2021 começará a ser pago no dia 6 de abril para os brasileiros nascidos em janeiro. A Caixa contratou 7,7 mil colaboradores para atuar nas 4 mil agências em todo o país e reforçar o atendimento dos beneficiários.

Quem ainda tem dúvidas sobre o pagamento pode entrar em contato com a Caixa pela central telefônica 111 de segunda a sexta, das 7h às 22h. Além disso, os beneficiários podem acessar o site da caixa.

O primeiro pagamento do Auxílio Emergencial 2021 para os beneficiários do Bolsa Família será no dia 16 de abril.

Confira as tabelas de pagamentos:

Público bolsa família

Público geral

Quem tem direito:
O Auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. É necessário que o beneficiário já tenha sido considerado elegível até o mês de dezembro de 2020, pois não haverá nova fase de inscrições.

Para quem recebe o Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso. A família receberá o benefício com maior valor, seja a parcela paga no âmbito do programa, seja o valor do Auxílio Emergencial.

O valor médio do benefício será de R$ 250, variando de R$ 150 a R$ 375, a depender do perfil do beneficiário e da composição de cada família.

– As famílias, em geral, vão receber R$ 250;
– A família monoparental, chefiada por uma mulher, vai receber R$ 375;
– Pessoas que moram sozinhas vão receber R$ 150.

Itajuípe: Prefeitura distribuí peixes e ovos da páscoa para famílias carentes

A prefeitura municipal de Itajuípe, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, começou na manhã desta terça-feira, 30, a distribuição de 8 toneladas de peixes para 3500 famílias carentes.

No primeiro dia, os bairros da sede foram contemplados com a distribuição do pescado e, no dia seguinte, o Projeto Itajuípe a Favor da Vida seguiu para os distritos e  zona rural.

Ainda em ação para contribuir com a semana Santa das famílias carentes, a secretaria de educação de Itajuípe fez distribuição de 5 mil ovos de páscoa para os alunos da rede municipal de ensino.

 

Boa notícia: Governo inclui pessoas com HIV no grupo prioritário de vacinação contra covid-19

Setenta dias depois do início oficial da campanha de vacinação contra a covid-19 no Brasil, o Ministério da Saúde decidiu incluir pessoas entre 18 e 59 anos vivendo com HIV no grupo prioritário para imunização (comorbidades). A recomendação publicada no final de janeiro dizia que apenas pessoas com HIV e CD4 menor 350 teriam prioridade na imunização.

Na época, representantes do movimento aids ouvidos pela Agência Aids comemoraram a decisão do Ministério da Saúde, mas disseram que sem exame de contagem de CD4 era impossível saber se a pessoa era prioritária para imunização.

Mesmo com a nova decisão, a realidade atual do Brasil é marcada por falta de vacinas, lentidão na aplicação de doses disponíveis, atrasos em entregas previstas dentro e fora do país e consequências da demora do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em comprar imunizantes.

O plano de imunização brasileiro contra a covid-19 dividiu a população adulta em prioritários e não prioritários. O grupo prioritário é subdividido em 29 categorias, entre elas idosos, adultos com comorbidades, profissionais de saúde, pessoas em situação de rua, presos, pessoas vivendo com HIV/aids, trabalhadores do setor de educação, agentes de segurança, motoristas de ônibus e caminhoneiros. Essas pessoas somam 77,3 milhões.

Em linhas gerais, a ordem segue três momentos. 1. idosos e profissionais de saúde; 2. adultos com comorbidades; 3. profissionais de categorias essenciais. A cidade de São Paulo, levou o mês de março inteiro para vacinar apenas idosos de 70 a 79 anos.

O grupo mais numeroso entre os prioritários é o de adultos de 18 a 59 anos com comorbidades (ou doenças pré-existentes), entre elas diabetes, síndrome de Down, fibrose cística, hipertensão, cirrose hepática, cardiopatias e pessoas com obesidade mórbida (IMC acima de 40). Essa fatia representa quase 18 milhões de pessoas e corre mais riscos de morrer de covid-19 ou desenvolver a forma grave da doença.

Confira a nota na íntegra:

NOTA TÉCNICA Nº 282/2021-CGPNI/DEIDT/SVS/MS

I – Introdução Considerando que a pandemia de covid-19 apresenta caráter dinâmico, assim como a produção cienfica sobre o tema, com novas evidências sendo divulgadas semanalmente, esta nota técnica tem como objevo atualizar as orientações sobre a vacinação contra a covid-19 de pessoas vivendo com HIV (PVHIV). Desse modo, a parr da publicação desta nota técnica, a NI nº 3/2021DCCI/SVS/MS fica revogada.

II – Orientações para a vacinação de PVHIV Considerando as novas evidências cienficas publicadas sobre o risco de desfechos negavos da covid-19 em PVHIV, faz-se necessário atualizar as recomendações visando incluir todos os indivíduos vivendo com HIV entre 18 e 59 anos de idade no grupo de comorbidades para a priorização da vacinação contra covid-19, visando reduzir o impacto da pandemia nesse grupo, especialmente em relação ao risco de hospitalização e óbito, e respeitar o conceito de equidade do Sistema Único de Saúde (SUS).

Destaca-se que as PVHIV com 60 anos ou mais já estão contempladas na priorização por faixa etária, que antecede o grupo de comorbidades, conforme a ordem estabelecida e a presente na Nota Técnica Nº 155/2021-CGPNI/DEIDT/SVS/MS e no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO).

Assim, esta nota técnica objeva a ampliação da vacinação contra a covid-19 nas PVHIV entre 18 e 59 anos, independentemente da contagem de linfócitos T-CD4+ e que não foram vacinadas previamente contra a covid-19, contempladas no grupo de comorbidades do PNO, conforme quadro abaixo. A atualização desta recomendação estará presente a parr da sexta edição do PNO, a ser publicada em abril/2021, porém já terá validade a partir da publicação da presente Nota técnica.

Veja a ordem dos grupos prioritários, segundo o Plano Nacional de Imunização:

Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas

Pessoas com deficiência institucionalizadas

Povos indígenas vivendo em terras indígenas

Trabalhadores da Saúde

Pessoas de 75 anos ou mais

Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas

Povos e comunidades tradicionais quilombolas

Pessoas de 60 a 74 anos

Pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades

Pessoas com deficiência permanente grave

Pessoas em situação de rua

População privada de liberdade

Funcionário do sistema de privação de liberdade

Trabalhadores de educação

Forças de segurança, salvamento e Forças Armadas

Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros

Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário

Trabalhadores de transporte aéreo

Trabalhadores de transporte de aquaviário

Caminhoneiros

Trabalhadores portuários

Trabalhadores industriais











rl consultoria




web