WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia





setembro 2021
D S T Q Q S S
« ago    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
videos


:: ‘_destaque1’

OPERAÇÃO LAVA JATO: Empresário Eike Batista é preso em nova fase da operação

POR: MAIS GOIAS

Agentes da Polícia Federal cumprem hoje (8) mandado de prisão do empresário Eike Batista. A ação é parte da Operação Segredo de Midas, deflagrada na manhã de hoje (8), como  desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro. O pedido de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal.

Condenado a 30 anos por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, o empresário foi preso em janeiro de 2017. Três meses depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que Eike cumprisse a pena em casa.

Na operação de hoje, a Polícia Federal também cumpre mandado de prisão contra outra pessoa ligada a Eike, além de quatro mandados de busca e apreensão. Segundo a PF, o objetivo é buscar provas sobre manipulação de capitais e lavagem de dinheiro.

Prefeitura de Ilhéus celebra convênio com o DETRAN-BA

O convênio entre a Prefeitura de Ilhéus e o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA) foi assinado na manhã desta quinta-feira (8). O diretor da Superintendência de Transporte, Trânsito e Mobilidade (Sutram), Gilson Nascimento e o diretor geral do Detran-BA, Rodrigo Pimentel de Souza Lima firmaram o acordo que prevê melhorias na acessibilidade e mobilidade urbana do município.

Além da cooperação técnica nas áreas de tecnologia e informação, o novo convênio viabilizará ao Detran realizar investimentos em sinalização horizontal, vertical e semafórica no município. Ademais, o órgão baiano irá promover cursos e capacitações para os agentes municipais de trânsito. A instalação da Escola Pública de Trânsito do Estado (EPTRAN) também é uma das disposições contidas do acordo.

Governo do Estado sanciona leis de combate ao abuso sexual contra mulheres

No dia em que a Lei Maria da Penha completa 13 anos, o governador Rui Costa sanciona duas leis voltadas à proteção das mulheres na Bahia. Ambas foram publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) e estão em vigor a partir desta quarta-feira (7).
Uma delas dispõe sobre a obrigatoriedade da fixação de placas contendo, de forma legível e aparente ao público, a lei federal nº 13.718/2018 em diversos espaços e meios de transporte, com o objetivo de combater a importunação sexual contra mulheres. As placas também devem indicar o Disque 180 para denúncia das violações.
A obrigatoriedade é válida para trios, camarotes, restaurantes, bares, boates e casas de show, além de meios de transporte intermunicipal, hidroviário, rodoviário e metroviário. O descumprimento da lei implicará em multa, que será revertida para ações da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).
A outra lei indica que os serviços de transporte intermunicipal de passageiros devem adotar campanhas afirmativas, educativas e preventivas sobre o abuso sexual e a violência contra a mulher sofridos no interior dos veículos coletivos. As campanhas envolverão a confecção de cartazes com instruções para identificação do agressor, acompanhadas dos números da Polícia Militar (190) e da Central de Atendimento à Mulher (180).

ILHÉUS: SECRETARIA DE CULTURA E TURISMO EMITE NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em relação a publicação “Cultura de Ilhéus a preço de banana”, veiculada no último sábado (3), no Facebook, a Secretaria Municipal da Cultura e do Turismo (Secult) esclarece que é inverídica e leviana a informação de que o titular da pasta, Fábio Manzi Junior transformou seu gabinete em uma ‘banca de feira’ – com negociações proponentes dos projetos culturais habilitados no edital Demanda Espontânea – Apoios Culturais.

A verdade é que o Edital contempla propostas culturais do município, selecionadas nas cinco chamadas estabelecidas no presente chamamento público. Salienta que a liberação dos recursos financeiros (veja Edital) está sujeita à existência de dotação orçamentária, ou seja, o apoio financeiro será repassado aos proponentes de acordo com a disponibilidade orçamentária do Fundo Municipal de Cultura.

Ressalta-se também que uma vez inscritos, os proponentes aceitam as cláusulas e itens contidos no presente edital (vide item 4.9). Além disso, há margem discricionária para que seja feito reajuste orçamentário, informação contida no item 7.7. Diante disso, a Secult reconhece o papel que os artistas locais desempenham para o fortalecimento e o reconhecimento da cultura do município de Ilhéus.

ILHÉUS: Ponto de ônibus do paredão é relocado provisoriamente por conta de reformas

Por conta das obras de reforma do ponto de ônibus localizado no paredão do Hospital São José, na Avenida Bento Berilo, um dos principais de Ilhéus, a Superintendência de Transporte, Trânsito e Mobilidade (Sutram) relocou no início da manhã desta segunda-feira (5), a parada dos serviços de transporte coletivo centro-zona sul, para a Avenida Tiradentes, na altura da Igreja Universal.

A recente alteração se dá por conta do cumprimento do Decreto 133/2019, que determina às empresas São Miguel e Viametro, concessionárias dos serviços de transporte coletivo, a reforma 10 pontos de ônibus na cidade, além da inclusão de 14 novos ônibus até 30 de julho de 2019 e mais 20 até julho de 2020. Para garantir os serviços, o órgão transferiu provisoriamente para um espaço 100 metros após o equipamento que passa por obras.

Como noticiamos aqui, esse ponto estava colocando em risco os passageiros, relembre clicando aqui.

ILHÉUS: Seminário de atenção primária à saúde discute democracia e políticas públicas

No Dia Nacional da Saúde, data em que se comemora ainda o nascimento de Oswaldo Cruz, médico e pioneiro da medicina experimental no Brasil, a oportunidade de rediscutir os avanços na democracia e as estratégias indispensáveis para enfrentar os desafios da saúde pública no município de Ilhéus. A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) organizou nesta segunda-feira (5), no Centro de Convenções, o I Seminário de Atenção Primária, que busca contribuir para o debate sobre as opções de fortalecimento do setor em Ilhéus.

O público participante contou com os palestrantes, dr. Jairnilson Paim, do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA (ISC/UFBA) e dra. Cristina Setenta Andrade, da UESC/UESB, que na ocasião, analisaram e apresentaram resultados, uma série de evidências científicas sobre o impacto da atenção primária à saúde na redução das desigualdades e na melhoria dos indicadores de saúde na Bahia, no Brasil e no mundo. O encontro reuniu estudantes, profissionais e articuladores dos setores da saúde.

Avanços – O prefeito Mário Alexandre ressaltou o êxito do evento na atual gestão municipal. Para ele, houve aumento da cobertura, acesso, equidade e satisfação dos usuários do SUS. “Quando assumimos o governo de Ilhéus a saúde tinha um índice de rejeição de mais de oitenta por cento. Para contrariar tudo isso, reorganizamos o setor e ampliamos a oferta dos serviços, com profissionais concursados, médicos, reformas de postos de saúde e melhoria no atendimento de toda a rede”.

Ao destacar os 30 anos do SUS no Brasil, dr. Jairnilson Paim disse que o sistema é uma conquista do povo brasileiro. Na sua avaliação, o SUS não saiu de governantes, partidos políticos e nem dos organismos internacionais. “O SUS nasceu nas periferias, zonas rurais, da organização popular, dos profissionais de saúde e dos pesquisadores. Estamos vivendo um momento difícil para a democracia no País. Há uma preocupação em trazer essa conquista de forma mais clara e isso se faz com atenção básica e primária”, frisou.

Já o titular da Saúde em Ilhéus, Geraldo Magela lembrou que este trabalho começou em 2018, no processo de reorganização do trabalho da rede de saúde municipal. “Este cenário vem coroar o trabalho e lançar novas propostas, graças aos investimentos na saúde e na atenção básica, especificamente, feitos pelo prefeito Mário Alexandre. Isso melhorou, significativamente, e portanto, está de parabéns a equipe por ousar fazer uma saúde diferente e transformadora no município”.

O diretor da Atenção Básica e Primária da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), José Cristiano Sóstenes salienta a atual gestão tem feito seu dever de casa, com ações e investimentos na atenção primária. “Esse evento fala aquilo que precisa ser avançado, e casa muito bem com o momento que Ilhéus está vivendo. O Estado tem monitorado e compartilhado todos os investimentos, através do apoio, porque acreditamos numa gestão que está efetivamente executando aquilo que tem sido proposto”.

Primeiro evento – O objetivo é permitir uma aproximação ainda maior dos conceitos e das técnicas de avaliação em saúde, voltadas para atenção primária à saúde, conforme disse a diretora da atenção básica do município, Jailma Cunha Lima. “A ideia desta primeira edição é construir um seminário com ênfase na democracia e na saúde, a fim de fortalecer nossas práticas de atuação na rede, através da experiência de renomados profissionais”, declarou a diretora.

Os articuladores ressaltaram as ações do Governo do Estado, cuja parceria visa, prioritariamente, a ampliação da oferta dos serviços da atenção básica no município. Com a parceria, disseram os gestores “foi possível ofertar um atendimento com maior qualidade, estabelecendo metas nos processos de democratização destes serviços”. Por último, destacaram o apoio da faculdades e universidades no município e na região, na oferta dos cursos de extensão que beneficiam diretamente os alunos destas instituições.

O evento contou ainda com a participação do presidente do Conselho Municipal de Saúde, Rafael Santos; representante do Departamento de Saúde da UESC, Cristiano Bahia; professora emérita da UESC/UESB, Cristina Setenta Andrade; representante da Faculdade Madre Thaís, Andréa Dickie; vereadores Makrisi Sá e Ivo Evangelista, além dos membros da Comissão de Saúde; integrantes do EdPopSUS; agentes comunitários de saúde e agentes de combate as endemias e diretores e coordenadores.

POLÍTICA: Com fundo partidário de meio bilhão de reais, PSL aposta em capitais nas eleições de 2020

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e o fundador do PSL, Luciano Bivar

O PSL vai concentrar os recursos dos fundos eleitoral e partidário na disputa a prefeituras em capitais e municípios com importância regional ou com mais de 500 mil habitantes. O partido do presidente Jair Bolsonaro é, ao lado do PT, o que mais vai ter dinheiro público para gastar nas eleições municipais do ano que vem. A previsão é de que a legenda tenha meio bilhão de reais e ambiciona, com isso, conquistar pelo menos dez grandes cidades, segundo o presidente do partido, deputado Luciano Bivar (PE).

Apesar de ter o posto mais alto da República e a segunda maior bancada da Câmara, o PSL ainda é “nanico” no País. Das 5.464 cidades que tiveram disputas nas eleições passadas, a legenda ganhou apenas 30. A maior é São João del-Rei (MG), que tem menos de 100 mil habitantes. “Não podemos achar que vamos ganhar em todos os lugares só porque o presidente vai estar na foto. Ele vai ser fundamental, mas temos que ter uma estratégia”, afirmou Bivar.

As duas maiores capitais, São Paulo e Rio, estão entre as prioridades da legenda e devem receber a maior fatia do bolo. Os demais gastos serão decididos em pesquisas locais e entre deputados e senadores do PSL.

O maior desafio será expandir o PSL pelo Nordeste, na avaliação de Bivar. O partido quer conquistar pelo menos uma capital na região e uma cidade importante do interior de PernambucoCeará ou Bahia. “Para diminuir o poder da esquerda”, afirmou ele ao Estado.

Em uma reunião a portas fechadas na semana passada, Bivar ofereceu a Bolsonaro voz mais ativa na indicação de dirigentes do partido nos Estados e de nomes para disputas locais.

O dirigente não ouviu do presidente nem que sim nem que não. Apenas conseguiu a promessa de que ele gravará um vídeo para ser divulgado no dia 17 convidando interessados a se filiar ao PSL. A legenda espera aumentar de 362 mil para um milhão o número de filiados.

O partido já anunciou a intenção de priorizar candidaturas próprias no Rio e em São Paulo. Nos dois Estados, caberá aos filhos do presidente a escolha do candidato. O senador Flávio Bolsonaro comanda o diretório fluminense e já escolheu onde vai gastar os recursos. Serão nove candidaturas em municípios estratégicos do interior e da região metropolitana, além da capital, onde o deputado estadual Rodrigo Amorim vai concorrer. Amorim ficou conhecido por destruir uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no ano passado.

Em São Paulo, o diretório é comandado pelo deputado Eduardo Bolsonaro, que não decidiu o nome para a disputa da capital. A deputada Joice Hasselmann, líder do governo no Congresso, é cotada, mas está longe de ser consenso. Dois empecilhos estão no seu caminho. O primeiro seria o senador Major Olímpio, que quer fazer um nome seu no comando da capital. O segundo, mais complicado, seria o próprio filho do presidente.

Indicado ao cargo de embaixador do Brasil nos EUA, Eduardo quer deixar o deputado estadual Gil Diniz no comando da legenda em São Paulo. Gil já se mostrou publicamente contrário ao nome de Joice. O grupo político de Eduardo gostaria de ter o apresentador de TV José Luiz Datena na disputa.

POR: TERRA

POLÍTICA: Após revelação de hacker, PCdoB interrompe estratégia pensada para Manuela D’Ávila

POR: TERRA

Após a revelação, no fim de julho, de que a ex-deputada Manuela D’Ávila (RS) foi a ponte entre o hacker que violou telefones de centenas de pessoas, entre elas autoridades dos três Poderes, e o site The Intercept Brasil, a direção do PCdoB interrompeu, pelo menos temporariamente, a estratégia pensada para ela — aproveitar a grande exposição obtida pela candidatura à Vice-Presidência na eleição do ano passado para consolidá-la como um nome forte do partido para 2020. O episódio, no entanto, obrigou a ex-deputada a se recolher.

Na última semana, Manuela parou de dar entrevistas e de interagir nas redes sociais — território que dominava com desenvoltura — e se impôs uma espécie de autoexílio na Escócia, onde faz curso de inglês, ao lado do marido e da filha. Seus advogados, José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça, e Alberto Toron, também têm fugido dos microfones.

A ideia é evitar que a ex-deputada vire protagonista do caso conhecido como “Vaza Jato” e que seu papel fique circunscrito ao que foi divulgado até agora: o de apenas intermediária entre o hacker Walter Delgatti Neto, o Vermelho, e o jornalista Glenn Greenwald.

No entorno de Manuela a ordem é protegê-la de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que tentam usar o episódio para transformá-la no vínculo entre o hacker e o PT de Fernando Haddad, de quem ela foi candidata a vice na eleição presidencial do ano passado.

Depois da eleição, a única missão partidária de Manuela foi se manter em evidência por meio de uma agenda que misturava feminismo, maternidade e combate às fake news — assunto que ganhou destaque na última disputa presidencial.

Prefeitura. No início do ano, o PCdoB chegou a cogitar que ela transferisse o título eleitoral para São Paulo a fim de se lançar candidata à Prefeitura da maior cidade do Brasil, onde ganharia ainda mais visibilidade e a possibilidade de marcar diferenças em relação ao PT. Mas Manuela rejeitou de pronto a ideia e se mantém como pré-candidata à prefeitura de Porto Alegre, onde lidera as pesquisas de opinião.

Manuela está sem ocupar um cargo público pela primeira vez desde 2005, quando ganhou a sua primeira eleição como vereadora de Porto Alegre. Depois disso foi deputada federal por dois mandatos e deputada estadual pelo Rio Grande do Sul na legislatura que se encerrou no fim do ano passado.

Após a derrota no segundo turno, ela anunciou que estava abrindo uma loja de camisetas com frases políticas muito difundidas durante a eleição. Manuela disse que a ideia era que a venda financiasse seu novo instituto, o “E Se Fosse Você” — criado, segundo ela, para combater fake news e “redes de ódio”.

Essa foi a forma encontrada por Manuela para cumprir a tarefa partidária de se manter em evidência enquanto o PCdoB articula seu futuro político. Além da ONG, a ex-deputada também viajou pelo Brasil para lançar o seu primeiro livro, intitulado Revolução Laura, com histórias e reflexões sobre suas experiências desde a chegada da filha, hoje com 4 anos. No segundo semestre, ela planeja lançar seu segundo livro, ainda sem título, sobre feminismo.

Retorno. Segundo pessoas próximas à ex-deputada, o autoexílio tem prazo para terminar. Manuela deve voltar ao Brasil antes da reunião do comitê central do PCdoB marcada para o dia 16, que deve ser transformada em um ato de desagravo e solidariedade à ex-deputada.

Às poucas pessoas com quem teve contato, ela tem demonstrado tranquilidade e confiança de que não cometeu crime algum. Formalmente ela não é investigada. Na semana que vem seus advogados vão entregar à Polícia Federal as mensagens que ela trocou com Vermelho no dia 12 de maio, quando o hacker invadiu seu celular.

Amigos dizem que ela pensou que a abordagem era uma armadilha preparada por adversários, até que Vermelho começou a enviar conteúdos das mensagens hackeadas. Mesmo assim, afirmaram, Manuela agiu com precaução e tentou se desvencilhar, indicando um jornalista de sua confiança.

Famílias que ocupavam apartamentos do MCMV de forma irregular são retiradas durante ação de reintegração de posse

Cerca de 50 famílias que moram em um conjunto habitacional popular no bairro Jardim das Margaridas, em Salvador, começaram a ser retiradas do local, por volta das 8h desta quinta-feira (1º), por conta do cumprimento de um mandado de reintegração de posse.

Conforme a Caixa Econômica Federal, responsável pelo conjunto, as pessoas ocupavam há um ano os apartamentos de forma irregular. A instituição alega que, por mais que essas famílias precisem, os imóveis estão destinados para pessoas que aguardam na fila de espera do programa Minha Casa Minha Vida.

Por conta disso, a Caixa entrou com ação judicial em janeiro deste ano e conseguiu reaver esses imóveis. No local, estão equipes da Polícia Federal, Polícia Militar, Oficiais de Justiça, além de funcionários da Caixa.

Caixa Econômica Federal alega que famílias ocupam imóveis de forma irregular. — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

Caixa Econômica Federal alega que famílias ocupam imóveis de forma irregular. — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

Dez caminhões com carregadores foram disponibilizados para que as famílias consigam colocar os móveis e outros pertences.

A dona de casa Daniela, que morava no local há quase um ano, quando conseguiu entrar arrombando a porta do local, questiona a reintegração, já que muitas pessoas devolveram as chaves e nunca foram até o local.

“Eu não vou ficar na rua. Se tem isso aqui e não entregou. Tem gente que nunca veio aqui. Tem apartamento que o povo devolveu a chave. Já que devolveu, porque não pega e dá para quem está precisando?”, questionou.

A Defensoria Pública da União (DPU) contou que busca soluções para amenizar a situação das famílias que foram desabrigadas.

“[Haverá] aluguel social para as famílias que estejam nessa condição de vulnerabilidade e também se enquadre nesse programa. Nós vamos fazer a relação dos dados dessas famílias para realocarem nesse programa”, contou André Porciúncula, Defensor Público.

A reintegração desta quinta começou por volta das 8h. No local, estão 14 equipes, entre Polícia Federal, Polícia Militar, Oficiais de Justiça, além de funcionários da Caixa.  — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

A reintegração desta quinta começou por volta das 8h. No local, estão 14 equipes, entre Polícia Federal, Polícia Militar, Oficiais de Justiça, além de funcionários da Caixa. — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

 

Reintegração ocorre nesta quinta-feira (1º).  — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

Reintegração ocorre nesta quinta-feira (1º). — Foto: Vanderson Nascimento / TV Bahia

POLÍTICA: Governador da Bahia chama governo federal de “caloteiro”

POR: TERRA

Após ter desistido na última semana de inaugurar o Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, ao lado do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), o governador da BahiaRui Costa (PT), pousou pela primeira vez na pista, na manhã desta quinta-feira, 1.º, e criticou o chefe do Palácio do Planalto, insinuando que ele “não tem trabalho para apresentar”, além de acusar o governo federal de “dar calote” no Estado em obras que estão em andamento.

Em um discurso para plateia de apoiadores e correligionários, Costa afirmou que o “calote” soma uma dívida de R$ 520 milhões. “São obras que eles desejavam que eu parasse por falta de pagamento”, disse. “Mas eles não sabem ou esqueceram que o governador nasceu na favela, em um bairro chamado de Liberdade, e que meus ombros e minhas costas são curtidas e amadurecidos pela vida. Então, se eles acham que vão maltratar o povo da Bahia, dando calote no Estado para eu parar as obras, eles estão enganados”, discursou.

De acordo com a Secretaria de Comunicação do governo da Bahia, dos R$ 520 milhões citados pelo governador no montante do “calote” alegado por ele, R$ 237 milhões são referentes aos corredores transversais de transporte coletivo (linhas azul e vermelha), R$ 132 milhões dizem respeito às obras do metrô Salvador-Lauro de Freitas e o restante está dividido em obras de contenção de encostas e intervenções na área de saúde. O governo prometeu detalhar as obras de encostas e da saúde com seus devidos valores e enviar para a reportagem, mas não o fez até a publicação deste texto. Procurada, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República disse que não se manifestaria a respeito das declarações do governador Rui Costa.

A viagem do petista tinha o objetivo de inaugurar a Policlínica Regional de Saúde, mas ganhou explícito teor de ato político diante do esquema montado e da quantidade de apoiadores, que lotaram a frente do aeroporto uma semana após Bolsonaro passar por lá.

Um grupo expressivo de prefeitos da região e de deputados federais e estaduais da base política do governador, além de secretários das principais pastas do seu governo, aguardavam a chegada de Rui Costa.

O governador fez questão de transitar na área comum do aeroporto, até chegar à porta de saída do equipamento público, onde encontrou o grupo que o recepcionou. “Todos que não têm trabalho próprio para apresentar prefere falar dos outros”, afirmou Costa, logo após a chegada, ao ser questionado por jornalistas sobre a polêmica com Bolsonaro e com aliados locais envolvendo o aeroporto.

Ele definiu a situação como “disse-me-disse da política” e alfinetou Bolsonaro, sem citar o presidente nominalmente, ao dizer que “tem pessoas que nasceram com vocação de trabalhar e tem pessoas que nasceram com vocação de falar”.

“Eu prefiro ao invés de falar das polêmicas falar o trabalho. Como tenho muita coisa para falar de trabalho, vou economizar tempo”, disse o governador da Bahia, que voltou a se referir ao governo federal e a Bolsonaro diversas vezes durante seu discurso.

Em um momento, disse que “tem gente que todos os dias no Brasil só faz ofender o povo das regiões, dos Estados” e que gostaria de ter visto o povo participando da inauguração do Aeroporto Glauber Rocha. Depois, endureceu o discurso ao citar o forte esquema de segurança usado pelo presidente da República na ocasião.

Aliado de Bolsonaro, prefeito de Vitória da Consquista não comparece a evento

O prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), aliado do presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, principal adversário político de Costa e alinhado nacionalmente a Bolsonaro, não apareceu ao evento de inauguração da policlínica.

“Esse daí não precisa de PM (Polícia Militar)”, gritou um dos correligionários no meio da multidão, em certo momento da chegada, que aconteceu por volta de 10h. Na sequência, Costa entrou em um ônibus e seguiu para a agenda oficial.

A frase trata-se de uma provocação ao presidente Bolsonaro, que reclamou publicamente porque, durante a inauguração oficial do Aeroporto Glauber Rocha, o governador baiano não enviou efetivos da Polícia Militar para fazer a segurança da comitiva presidencial.

Em resposta, o petista afirmou que “quem tem governo impopular não deve sair de casa” e chamou a inauguração do aeroporto de “palanque político-partidário”, além de afirmar que desistiu de participar porque não teve convites suficientes para seus correligionários.

Também pesou na desistência, à época, a declaração de Bolsonaro chamando os governadores do Nordeste de “paraíbas”, utilizando termo pejorativo comumente usado no Rio de Janeiro para referir-se à população nordestina.





web