A Prefeitura de Ilhéus decretou na última segunda-feira (16) situação de emergência nas áreas afetadas por erosão marinha. O documento levou em consideração o aumento do nível do mar no período de 1º a 16 de outubro, nas localidades de São Domingos, São Miguel, Ponta da Tulha, Mamoã, Joia do Atlântico e Ponta do Ramo, Zona Norte da cidade.

O avanço da maré tem provocado prejuízos em imóveis particulares, vias públicas e estabelecimentos comerciais, afetando o direito de ir e vir em diversos pontos das referidas localidades, além do perigo oferecido devido ao rompimento do maciço de areia existente nesses locais. Conforme o Município, o parecer técnico já foi enviado para a Defesa Civil Nacional.

A medida autoriza a mobilização de todos os órgãos para atuarem nas ações de resposta ao desastre e reabilitação do cenário e reconstrução. “O decreto possibilita o desenvolvimento de atividades preventivas junto às comunidades afetadas, dando maior capacidade para o atendimento das ocorrências, além de registrar o histórico deste evento crítico”, disse Joandre Neres, coordenador da Defesa Civil Municipal.

O problema se agravou no início do mês, quando as ondas derrubaram o muro de contenção existente no São Miguel, atingindo algumas residências. A Prefeitura, por sua vez, enviou máquinas escavadeiras em resposta imediata aos danos causados pela erosão costeira.

O prefeito Mário Alexandre explicou que o Município discute alternativas junto ao Governo Federal, a fim de encontrar uma solução definitiva. “A gente articula e busca ações para minimizar o sofrimento das famílias. Vamos a Brasília para pleitear os recursos e mudar a realidade daquela região”.

O gestor lembrou que existe um projeto, responsável por determinar toda a morfologia necessária para conter e evitar novas erosões em outros pontos do litoral.