Lula e John Kerry, enviado especial dos EUA para tratar de clima | Twitter

A delegação não oficial, porém, mais esperada do Brasil na 27ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), chegou ao Egito, em Sharm El-Sheikh na noite desta 2ª feira (14.nov). É o grupo do presidente eleito, Luis Inácio “Lula” da Silva (PT).

Pela manhã, a nova primeira-dama, Rosângela “Janja” da Silva, foi ao evento visitar os estandes das ONGs brasileiras e se reunir com lideranças femininas. Enquanto isso, Lula recebeu uma ligação de boas-vindas do anfitrião, Abdel Fattah al-Sisi, presidente do Egito.

Depois, Lula se encontrou com a ex-ministra de Meio Ambiente em seus dois mandatos anteriores, Marina Silva (Rede-SP), dando ainda mais indícios da participação dela no governo. Provavelmente, com o cargo que pediu, em um novo ministério ou secretaria, focada em clima.

“O Brasil voltará a ser referência na questão climática mundial”, disse. Ainda nesta 3ª (15.nov), Lula deve ter duas importantes reuniões. Com o diplomata chinês especializado em clima, Xie Zhenhua, e com o profissional de mesma função nos Estados Unidos, John Kerry.

O americano disse à BBC Brasil que está “animado” para encontrar o brasileiro, pois está “confiante de que dará uma guinada completa na política ambiental do Brasil”. Kerry chegou a citar apoio financeiro para a preservação da Amazônia, via fundo que está sendo restabelecido.

“Nas conversas que tive com Alemanha, Reino Unido, Canadá, Noruega, enfim, todos os parceiros têm sinalizado e entendido que o Brasil é o país que pode mudar o paradigma, porque reúne as melhores condições para isso. Querem ver o Brasil liderando pelo exemplo”, afirmou.

Entretanto, a agenda oficial de Lula começana 4ª (16.nov). Primeiro, acompanha evento do estande dos chamados “governadores da Amazônia”. Em seguida, realiza pronunciamento na área da ONU. Na 5ª (17.nov), participa do Fórum Internacional dos Povos Indígenas e do Fórum dos Povos sobre Mudança Climática.