WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura ilheus



janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
videos


:: 13/jan/2022 . 17:21

Eleições 2022: Pesquisa Quaest/Genial: Lula tem 45%, Bolsonaro, 23% e Moro, 9%

Crédito: CNN Brasil

A pesquisa Quaest/Genial de intenção de voto para o primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 divulgada nesta quarta-feira (12) mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na liderança com 45%, contra 23% do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL).

No terceiro lugar, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) aparece com 9% das intenções de voto, à frente de Ciro Gomes (PDT), com 5%. Completam a lista o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 3%, e a senadora Simone Tebet (MDB), com 1%. O senador Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe d’Ávila (Novo) aparecem com 0%.

Foram entrevistadas 2 mil pessoas presencialmente nas 27 unidades da Federação entre os dias 6 e 9 de janeiro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95% (se 100 pesquisas fossem realizadas, 95 apresentariam os mesmos resultados dentro da margem de erro). A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral com o número BR-00075/2022.

Intenção de voto para presidente no primeiro turno

  • Lula (PT) – 45%
  • Bolsonaro (PL) – 23%
  • Moro (Podemos) – 9%
  • Ciro Gomes (PDT) – 5%
  • João Doria (PSDB) – 3%
  • Simone Tebet (MDB) – 1%
  • Rodrigo Pacheco (PSD) – 0%
  • Felipe d’Ávila (Novo) – 0%
  • Branco/nulo/não vai votar – 8%
  • Indecisos – 4%

Segundo turno

Na pesquisa Quaest/Genial, Lula lidera todos os cenários de intenção de voto para segundo turno. Moro e Ciro Gomes venceriam Bolsonaro nos cenários sem o candidato do PT.

Cenário 1

Lula (PT) – 54%

Bolsonaro (PL) 30%

Branco/nulo/não vai votar – 13%

Indecisos – 3%

 

Cenário 2

Lula (PT) – 50%

Moro (Podemos) 30%

Branco/nulo/não vai votar – 16%

Indecisos – 3%

 

Cenário 3

Lula (PT) – 52%

Ciro Gomes (PDT) – 21%

Branco/nulo/não vai votar – 23%

Indecisos – 4%

 

Cenário 4

Lula (PT) – 55%

João Doria (PSDB) – 15%

Branco/nulo/não vai votar – 26%

Indecisos – 3%

 

Cenário 5

Lula (PT) – 57%

Rodrigo Pacheco (PSD) – 14%

Branco/nulo/não vai votar – 25%

Indecisos – 4%

 

Cenário 6

Sergio Moro (Podemos) 36%

Bolsonaro (PL) 30%

Branco/nulo/não vai votar – 30%

Indecisos – 4%

 

Cenário 7

Ciro Gomes (PDT) 39%

Bolsonaro (PL) 32%

Branco/nulo/não vai votar – 25%

Indecisos – 4%

Pesquisa espontânea

Na metodologia da pesquisa espontânea para o primeiro turno, Lula também lidera, seguido por Bolsonaro.

Lula (PT) – 27%

Bolsonaro (PL) – 16%

Moro (Podemos) 1%

Ciro Gomes (PDT) – 1%

Indecisos – 52%

Branco/nulo/não pretende votar – 3%

 

Avaliação de Bolsonaro

A pesquisa também mostrou a avaliação do governo Bolsonaro. Para 50%, a gestão é negativa. 25% classificaram de regular. 22% apontaram como positiva. 3% não responderam ou não souberam responder.

Bolsonaro libera voos internacionais na classe executiva para ministros

Crédito: CNN Brasil

O presidente Jair Bolsonaro editou um decreto que autoriza ministros e servidores em cargos ou funções de confiança a viajarem de classe executiva em voos internacionais de sete horas de duração ou mais. A autorização vale para as viagens a serviço da União. O decreto foi publicado nesta quarta-feira (12) no Diário Oficial da União e já está valendo.

Em 2018, o então presidente Michel Temer havia decretado que as passagens aéreas para tais viagens deveriam ser “sempre na classe econômica”. Caso o ministro ou servidor optassem por outra categoria, a diferença seria paga por ele e não pela União.

A nova medida também vale para servidores públicos que substituam ministros ou tais servidores. Ela não revoga a exigência da emissão da passagem aérea em classe econômica, mas permite que, nos casos citados, os bilhetes na tarifa executiva sejam bancados com dinheiro público.

Música: Juiz dos EUA rejeita processo movido por “bebê do Nirvana”

Um juiz dos Estados Unidos negou o processo movido pelo “bebê do Nirvana” (foto: Reprodução). Crédito: TV POP

Spencer Elden, o bebê do disco Nevermind, do Nirvana, entrou com um processo contra a banda em que alegava que foi explorado sexualmente devido a capa feita quando ele tinha quatro meses, em 1991. O juiz que pegou o caso nos Estados Unidos rejeitou o processo.

Segundo o jornal The Guardian, os advogados de Elden perderam o prazo para apresentar uma oposição ao pedido da banda, feito em dezembro, para encerrar o caso após chamarem de “argumentos sem mérito do requerente”. A equipe de reclamante tem até o dia 13 de janeiro para recorrer.

Em 2021, Spencer Elden passou boa parte do ano exigindo a retirada de sua imagem da capa do disco em futuras novas versões. De acordo com o TMZ, a Universal Music pretendia divulgar várias reedições do projeto, o que teria irritado Elden, que na capa aparece nu indo atrás de uma nota de dólar. A advogada, Maggie Mabie, afirmou que “é hora de acabar com a exploração infantil e a violação de privacidade”.

Ainda segundo a advogada, Elden sofreu durante muitos anos com uma enxurrada de comentários a respeito da capa que o deixou constrangido e que isso seria pornografia infantil, mas os advogados do Nirvana alegaram que Elden “passou três décadas lucrando como uma celebridade”, recriando a imagem nos 15º e 20º aniversários do álbum e tatuando o título do álbum em seu peito.

O processo conta com 15 réus, dentre eles a viúva do vocalista Kurt Cobain, Courtney Love, e a gravadora que lançou e distribuiu o disco. Em 2016, quando completou 25 anos, o álbum Nevermind já havia comercializado mais de 30 milhões de cópias desde o seu lançamento. Spencer Elden pediu uma indenização de US$ 150 mil (cerca de R$ 851 mil) de cada uma das partes por “exploração sexual infantil comercial desde quando Elden era menor de idade até os dias atuais”, declarou a defesa.

Nevermind foi lançado em 24 de setembro de 1991 após diversos ensaios para definir quem seria o bebê da foto. Apesar de Elden ter sido o escolhido, haviam outros bebês na corrida. O pai do eleito era amigo do fotógrafo.





web