WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

camara de ilheus



junho 2021
D S T Q Q S S
« maio    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
videos


:: 9/jun/2021 . 9:06

Ilhéus: Jerbson Moraes diz que a crise entre ele e o prefeito é pessoal, e não institucional

Sim, a luz amarela está acesa. Mas não é entre o presidente da Câmara e o prefeito de Ilhéus. Não é institucional, é pessoal. É entre o vereador Jerbson Moraes e o correligionário Mário Alexandre. O esclarecimento foi feito hoje (09) pelo vereador, durante entrevista no Programa Tropa de Elite, na Gabriela FM.

Segundo Jerbson, há cerca de 40 dias não consegue estabelecer contato nem telefônico com o prefeito.

“Minha relação com ele é de irmão, de amizade, carinho e respeito. Mas não preciso provar mais a minha lealdade, gratidão. Política não se faz sozinho. Quando há interesse pessoal envolvido dá erro. A luz amarela diz que é preciso que ele e o grupo definam se Jerbson Moraes deve ser visto como importante ou não para o projeto político”, afirmou.

Foto emblemática

Jerbson mostrou-se surpreso com o fato de ontem à tarde, minutos antes da sessão na Câmara, o prefeito ter se reunido com um grupo de vereadores sem que ele, como presidente da Casa, sequer tenha sido convidado. Havia, segundo ele, “até vereador crítico à gestão na foto registrada durante o encontro”.

O presidente da Câmara afirmou que para ter continuidade em qualquer grupo político é fundamental que seus integrantes estejam se sentindo bem, sendo importantes. “Sou do PSD, pedi voto para ele nas duas eleições, achei estranho”, reconheceu.

Questionado pelos comunicadores Robertinho Scarpitta e Marinho Santos o porquê de tentar separar a crise pessoal da institucional, Jerbson explicou que não tem problema com nenhum vereador. “Respeito o mandato de que lado esteja e que pensamento político tenha. Não posso usar a presidência da Câmara para ir de encontro aos interesses do Executivo que sejam de interesse da cidade”.

Avanços administrativos no Legislativo

Durante a entrevista o presidente da Câmara falou da necessidade que encontrou para rearrumar administrativamente a Câmara de Vereadores. “Com a economia que fizemos, a Casa vai voltar a uma realidade mais confortável”, garantiu, anunciando para o segundo semestre o retorno do ticket alimentação dos servidores, o pagamento de 1/3 de férias e a primeira parcela do 13º salário.

E explicou a medida adotada semana passada, quando terminou expondo publicamente a crise com o prefeito Mário Alexandre. Segundo Jerbson, com a Reforma Administrativa aprovada, o Poder Executivo teria que ter enviado uma Lei Complementar Orçamentária para que a administração pudesse distribuir o novo organograma administrativo da Prefeitura. “Mandaram a reforma sem lei. Um mês depois é que as leis foram enviadas, querendo que fossem distribuídas pela competência. Levou um mês para mandarem. Exatamente no dia que chegou precisava ser distribuído? Tinha que ser na terça? Não podia ser na quarta?”, questiona.

Erros técnicos

Jerbson Moraes garante que os projetos estavam equivocados tecnicamente, com Emendas Orçamentárias impositivas dos vereadores sendo anuladas e readequando essas verbas na reforma. “A lei proíbe isso”, assegura. “Chamei os vereadores e expliquei. Todos concordaram. Mas, durante o retorno à sessão, o líder disse que estava errado e causou toda essa loucura”.

O presidente da Câmara atribuiu à um “Comitê de ódio”, a autoria de Fake News e até de uma Nota Pública contra a sua decisão. Era um documento assinado até pelo PSD, o meu partido. Ora, se eu sou do PSD, como não foi pedida a minha opinião?”, questiona. “Foram pra cima de mim como se fosse afetar minha decisão. Não afetou”, disse aos comunicadores. Os dois polêmicos projetos tramitaram novamente ontem e seguem para a Comissão Permanente de Justiça da Câmara para serem analisados. “De tudo isso podem ter uma certeza”, afirmou. “Não há nada contra o governo desde que seja correto e positivo para a cidade. Não serei presidente bom ou ruim. Serei um presidente justo”, concluiu.

Auxílio emergencial será prorrogado por mais dois meses

O auxílio emergencial será prorrogado por ao menos mais dois meses. O anúncio foi feito na noite de 3ª feira (8.jun) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Com a medida, os pagamentos do benefício ficam previstos para até setembro.

Além dos dois novos meses, o governo indica a possibilidade de prorrogar por mais tempo, a depender da evolução da vacina contra covid-19 no Brasil. Antes, o auxílio estava definido para terminar em julho.

“Todos os governadores estão dizendo que toda a população adulta estará vacinada no final de setembro. Se isso não acontecer, a gente estende o auxílio emergencial. Nós estamos estendendo para agosto e setembro. Se for necessário, estenderemos mais”, disse Guedes.

Não foram divulgadas informações referentes aos valores e como funcionará a prorrogação. O pagamento médio do benefício atualmente é R$ 250, com variações a depender das famílias.

O titular da economia também disse que quem decidirá os prazos será o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). E afirmou que após a prorrogação, o governo deverá ter foco em um novo programa social para ocupar o lugar do Bolsa Família. Ainda não há detalhes sobre como funcionará esse programa.

Recurso para o auxílio

O ministro afirmou ainda que a prorrogação do benefício virá após abertura de crédito extraordinário. “O auxílio emergencial são R$ 9 bilhões por mês. Então, seriam R$ 18 bilhões por dois meses. Só que R$ 7 bilhões já estão lá de remanescente do auxílio emergencial do ano passado. Precisaríamos de R$ 11 bilhões, que viriam por crédito extraordinário”, declarou.

As falas do ministro ocorreram durante conferência virtual do Bradesco BBI em Londres.











rl consultoria




web