O Ministério da Saúde decidiu incluir as grávidas e puérperas – mulheres no período pós-parto – no grupo prioritário para receber a vacina contra a covid-19. A informação foi dada nesta 3ª feira (27.abr) pela coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), Franciele Francinato, em uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a vacinação no país.

Francinato disse que a inclusão de gestantes se deu pelo agravamento da pandemia no Brasil, visto que grávidas e puérperas têm risco maior de hospitalização por covid-19. “A vacinação deve começar a partir do dia 13 de maio”, declarou.

“Nossa indicação é que, nesse momento, vamos alterar um pouco a recomendação da OMS [Organização Mundial de Saúde] que hoje indica a vacinação, de acordo com o custo x benefício. Mas, hoje, o risco de não vacinar gestantes no país já justifica a inclusão desse grupo para se tornar um grupo de vacinação nesse momento”, disse.

Em 15 de março, o governo havia incluído as gestantes com comorbidades. De acordo com a coordenadora do PNI, uma nota técnica foi encaminhada na 2ª feira (26.abr) aos secretários estaduais de Saúde, com as novas orientações.

Apesar da mudança, o Ministério da Saúde irá priorizar as grávidas com doenças pré-existentes. Os imunizantes utilizados serão: Coronavac, AstraZeneca e Pfizer.