Se a proposta orçamentária para gastos em 2020 enviado em agosto pelo governo for aceita pelo Congresso, a saúde vai perder R$ 9,46 bilhões. Segundo levantamento feito pelo G1, tendo como base a regra de teto de gastos admitida em 2017, no governo Temer, a Secretaria de Orçamento Federal, ligada ao Ministério da Economia, sugeriu R$ 122,9 bilhões para a pasta no ano que vem, quando, pela regra anterior deveria ser de R$ R$ 132,3 bilhões

De acordo com a publicação, esse valor é R$ 920 milhões acima do mínimo fixado pela regra vigente do teto de gastos públicos, que é o valor do piso feito pela correção da inflação do ano anterior. Anteriormente, o valor mínimo do piso que deveria ser destinado à saúde em 2020 era de 15% da receita corrente líquida – estimada, na proposta de orçamento, em R$ 882,4 bilhões para o próximo ano.

Essa destinação menor de recursos para saúde no ano que vem, só se confirmará se o Congresso Nacional aprovar os valores propostos pelo governo.