WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura de ilheus



agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
videos


:: ago/2019

AMAZÔNIA: Investigações revelam quadrilhas e ganho milionário com desmate

POR: UOL

Corrupção, formação de quadrilha, trabalho escravo, violência, grilagem, roubo de madeira. O desmatamento ilegal da Amazônia se insere em um conjunto de crimes que vai muito além do ambiental e envolve custos – e ganhos – milionários. Investigações da força-tarefa Amazônia, do Ministério Público Federal, demonstram que há elaboradas organizações criminosas por trás do problema. Nesse processo, as queimadas são apenas a sua face mais visível.

“Não vou ignorar que existe sim o desmatamento da pobreza, que é para fins de subsistência, mas o que realmente dá volume, o desmatamento de grandes proporções, que é o objeto de preocupação, é outro. No sul do Amazonas vimos cortes de 200, 500, 1 mil hectares (cada hectare equivale a cerca de um campo de futebol) de uma só vez. E isso quem faz é o fazendeiro já com rebanho considerável que quer expandir para uma área que não é dele. É o grileiro que invade uma terra pública. Não tem nada a ver com pobreza”, disse ao jornal “O Estado de S. Paulo” o procurador Joel Bogo, no Amazonas. O custo para fazer um desmatamento desses é alto. Segundo ele, é de no mínimo R$ 800 por hectare, mas pode chegar a R$ 2 mil. “Depende das condições. Se tem muitas motosserras, por exemplo, ou se usa correntão.

Um trator esteira, para abrir os ramais (estradas), custa centenas de milhares de reais. Em um desmate no Acre de 180 hectares, o Ibama encontrou 35 pessoas trabalhando ao mesmo tempo. Em condições análogas à escravidão”, relata. Em pouco mais de um ano, o esforço da Procuradoria, que envolveu o trabalho de 15 procuradores em Amazonas, Rondônia, Amapá, Acre e Pará, resultou em seis operações com ações penais já ajuizadas. Só no Amazonas, 33 pessoas foram denunciadas criminalmente.

Alguns dos casos investigados pela força-tarefa envolvem altas somas nos mais variados crimes ambientais. Um caso é o de uma família denunciada por extrair ilegalmente ouro ao longo de quase dez anos em garimpo no Amapá. A Polícia Federal estimou que o grupo tenha lucrado cerca de R$ 19 milhões. Em outro caso, de extração de madeira na terra indígena Karipuna, em Rondônia, o dano ambiental foi calculado em mais de R$ 22 milhões. Nove pessoas e duas empresas foram denunciadas por invadir e lotear a terra indígena. Laudo da Polícia Federal descreveu grandes áreas desmatadas e construções sendo feitas para ocupação humana, sob a falsa promessa de regularização da área.

A operação descreve que o desmate no local saltou de 1.195,34 hectares (de 2016 a 2017) para 4.191,37 hectares no ano seguinte. Para Bogo, um dos casos mais exemplares foi o da Operação Ojuara, na qual o MPF denunciou 22 pessoas por corrupção, constituição de milícia privada, divulgação de informações sigilosas, lavagem de dinheiro e associação criminosa, em um processo que ocorria há anos no Acre e no Amazonas.

“Para levar a cabo o desmatamento e a grilagem (apropriação de terra pública e falsificação de documentos para, ilegalmente, tomar posse dessa terra), alguns fazendeiros tinham ramificação até em órgãos públicos”, diz Bogo. Segundo ele, havia crimes como falsidade em cartório e corrupção de servidor público. “Era um grupo organizado, que atuava até com georreferenciamento. Havia toda uma divisão de tarefas que leva à conclusão de que se tratava de crime feito de modo organizado.

” Grilagem

O desmate para especulação imobiliária é outra face do problema. A floresta é derrubada apenas para poder ser vendida. “Com floresta em pé, a terra vale pouco. O que valoriza é a derrubada. Área Área pronta para pasto é muito mais cara”, resume Bogo. Estudo publicado em junho na revista Environmental Research Letters mostra que grande parte dos lucros da grilagem se dá com estímulos da própria legislação. O trabalho avaliou o impacto de uma lei de 2017 que facilitou a regularização fundiária de terras da União ocupadas na Amazônia. A justificativa era dar título de terra para os mais pobres e reparar injustiças históricas com pessoas que ocuparam a região após chamado do governo federal na década de 1970 e nunca tiveram sua situação legalizada. Para ambientalistas, isso favoreceria grileiros.

“Além de usar a terra de graça por muitos anos, grileiros podem comprá-la por preços abaixo do mercado”, diz o pesquisador Paulo Barreto, da ONG Imazon, que conduziu o estudo. O trabalho avaliou perdas de receita que poderiam ocorrer com 32.490 terrenos – que somam 8,6 milhões de hectares -, e já estão no processo de receber o título de terra. “A perda de curto prazo varia de US$ 5 bilhões (cerca de R$ 20,7 bilhões) a US$ 8 bilhões (R$ 33,2 bilhões)”, calcula. Isso tem potencial de aumentar ainda mais o desmate, acrescenta, uma vez que estimula ocupações futuras com a esperança de regularizar a posse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Há 21 anos, Sheila Mello era democraticamente eleita a nova loira do Tchan

Como alguns dos mais importantes episódios da cultura popular brasileira, a eleição para definir a substituta de Carla Perez no conjunto musical É o Tchan ocorreu no “Domingão do Faustão”. Ao longo de algumas semanas, o povo conheceu as postulantes ao cargo. Habilidosas dançarinas, carismáticas figuras humanas e bem torneadas panturrilhas desfilaram no palco do programa e fascinaram a audiência. Depois do extenuante processo seletivo, a grande final foi vencida com louvor por Sheila Mello, que derrotou Daniela Freitas por ampla margem: a acachapante preferência de 62,9% dos votantes. Nossa heroína havia sido democraticamente eleita a Nova Loira do Tchan.

VEJA O VÍDEO:

Eis que 21 anos se passaram e você ainda completa o título supracitado com “é linda, deixa ela entrar”. Se bobear, lembra até das medidas que se transformaram em poesia na levada sem vergonha de Beto Jamaica e Compadre Washington. O que veio a seguir foi uma passagem meteórica. Bateu recordes de venda como capa de revistas masculinas, era presença garantida em programas dominicais de toda sorte, encheu estádios e viajou o mundo, tudo isso no exíguo espaço de 5 anos. Sheila relembrou com carinho a efeméride. Usando uma montagem feita por fãs, escreveu no Instagram: “Honrando a história desse shortinho azul e dessa menina cheia de insegurança, expectativa e sonhos!” Ninguém será capaz de contrariar tal afirmação.

De 2004 para cá, em carreira solo, com breves retornos ao conjunto que catapultou sua relevância no showbiz, mostrou seu repertório como atriz, participante de reality show, cantora e até youtuber. Entre os destaques, o inesquecível videoclipe da música “Água”, a passagem ruidosa pela segunda temporada de “A Fazenda” e o espetáculo “Sheilas sob as luzes”, em que dividiu o palco com a ex-parceira Scheila Carvalho. Luz na passarela que lá vem ela, há 21 anos passando para dar seu recado.

POR: Chico Barney

ILHÉUS: Prefeito discute implantação de novo presídio

A construção do novo presídio no município pautou a reunião na tarde de quinta-feira (29). O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre recebeu em seu gabinete o diretor do Presídio Advogado Ariston Cardoso, o tenente coronel da Polícia Militar da Bahia, Gustavo Rebouças e a secretária municipal de Educação, Esporte e Lazer, Eliane Oliveira. Na ocasião, o diretor da unidade prisional destacou as condições precárias do estabelecimento e reforçou a viabilização de um novo presídio em Ilhéus.

Mário Alexandre destacou que é de extrema importância o município possuir condições para assegurar ações que potencializem a segurança pública. “Além de garantir medidas preventivas de segurança aos munícipes, deve garantir a proteção dos turistas que frequentemente visitam a cidade. A gestão pública, em todos os âmbitos tem o dever de tomar decisões precisas, no intuito de resolver as condições adversas existentes”.

A área destinada à construção do presídio necessita ser preferencialmente plana, próxima a uma via de acesso que possua saneamento básico e onde possa ser instalada energia elétrica. O terreno deve possuir entre 20 e 60 mil metros. Gustavo Rebouças lembrou que quando iniciou a gestão, o presídio Ariston Cardoso possuía 560 detentos. O diretor explicou que por meio do projeto, a SEAP pretende construir alas femininas, além de espaço para os presos condenados em regime semiaberto.

Parceria – A iniciativa é uma parceria entre o Governo do Estado e o Município. Rebouças esclareceu que o projeto ainda necessita de uma análise estrutural para a definição do espaço físico. “O prefeito demonstrou preocupação com a proposta e junto à secretaria de infraestrutura do município irá deliberar o processo, atendendo à legislação e às exigências da SEAP”, informou o tenente coronel da Polícia Militar.

“Há quatros anos assumi a direção do presídio e desde então tenho me empenhado na luta para a construção de um novo equipamento, no qual seja possível oferecer um espaço melhor para os servidores, para os detentos, para os advogados e para os familiares dos detentos. A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização já sinalizou a existência de recursos para a construção de duas unidades no eixo Ilhéus-Itabuna”, adiantou Rebouças.

Com o passar dos anos o número de presos foi reduzido paulatinamente. Alguns módulos foram interditados por questões estruturais e hoje o presídio de Ilhéus abriga 102 presos provisórios do sexo masculino. Os presos condenados no regime semiaberto são transferidos para Itabuna e os presos que cumprem pena em regime fechado são conduzidos até Barreiras, cidade distante mil quilômetros de Ilhéus.

ILHÉUS: Mais de cinco mil pacientes deixam de comparecer a exames

Muitas pessoas aguardam por vagas para realizar exames laboratoriais, contudo a Central de Regulação, departamento da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), explica que a oferta está sendo comprometida em virtude da crescente ausência aos agendamentos. De acordo com dados levantados pelo setor, no mês de agosto foram totalizadas mais 5.300 desistências, fato que agrava a fila de espera do município.

O supervisor da Central de Regulação da Sesau, Fábio Mantena destaca que além de acarretar problemas para a população em geral, a falta de comparecimento prejudica o trabalho dos prestadores de serviços conveniados pelo SUS – Sistema Único de Saúde, uma vez que não alcançam o teto financeiro estipulado para faturamento dos serviços.

“A ausência gera uma lacuna na oferta de serviços e resulta em prejuízos nos recursos públicos direcionados ao atendimento da população e o trabalho, que de certa forma, é reprimido. Algumas especialidades demandam um período de espera maior e não é possível transferir o agendamento em tempo hábil para outros pacientes. Por esse motivo é importante que o usuário compareça”, alertou.

Agendamentos – Para melhorar o atendimento, a Prefeitura de Ilhéus construiu e reformou dezenas de Unidades Básicas de Saúde (UBS) e ampliou a oferta de procedimentos e serviços. Mantena esclarece ainda que a média diária de abstenção é de 40 agendamentos. O paciente faltoso recebe uma advertência e fica suspenso do sistema de marcação pelo período de três meses.

A Sesau recentemente aumentou o número de unidades de saúde com marcadores, a exemplo do Alto do Coqueiro e Banco da Vitória, que continuará a atender a comunidade residente no Morada do Porto, Vila Cachoeira e distrito do Japu. A unidade de saúde de Sambaituba também atenderá as comunidades de Aritaguá, Vila São João, Vila Olímpio e Ribeira das Pedras, na zona norte.

Mantena reforça que a regulação de baixa complexidade é realizada diretamente nas UBSs, e após o fechamento da agenda, o paciente precisa aguardar o intervalo de cinco dias para retornar à unidade e realizar a marcação. Todavia, as datas e os serviços estão disponibilizados para consulta. Os serviços de média e alta complexidade são regulados através do Sistema Lista Única da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

A Central de Regulação de Ilhéus avisa que possui um endereço na rede social Instagram. Na plataforma estão disponíveis informações diárias, com calendário, especialidades e exames liberados para agendamento.

TURISMO: Azul eleva número de voos de Salvador para Ilhéus e Porto Seguro

A partir do dia 1º de novembro, a Azul Linhas Áreas passará a operar voos diretos da capital baiana para as cidades de Ilhéus e Porto Seguro. Os trajetos terão dois voos diários, feitos pelo Embraer 195, que possui capacidade para até 118 passageiros. A conquista atende a uma solicitação do prefeito Mário Alexandre que intensificou junto a companhia, a manutenção e a ampliação da oferta de voos para Ilhéus.

Na nova operação o voo sairá de Salvador às 10h25min com chegada prevista a Ilhéus às 11h15min. Retorno às 11h50min e chegada à capital às 12h40min. Decolagem de Salvador para Porto Seguro às 14h15min e pouso às 15h10min. Retorno às 15h40min e chegada a Salvador às 16h40min. A companhia lembra que também iniciará a operação de voos de Salvador para Maceió (AL) e para Teixeira de Freitas (BA).

O prefeito Mário Alexandre destaca a importância do turismo regional como garantia da empregabilidade e fortalecimento da renda dos ilheenses. “Uma cidade sempre de braços abertos para os turistas, que desfrutam de toda a hospitalidade e comodidade dos nossos serviços. Somos canais de fortalecimento do comércio e do turismo regional. A luta foi grande entre as idas e vindas e graças a força do trabalho, aí está o resultado”, declarou.

Na Bahia, o aeroporto de Ilhéus é o décimo absorvido pelo projeto de expansão da empresa, que também gerencia os aeroportos de Vitória da Conquista e de Comandatuba. Em julho último, cerca de 48 mil passageiros desembarcaram em Ilhéus, segundo informações da Socicam, nova concessionária do Aeroporto Jorge Amado. De acordo com a empresa, foram 65 voos extras, além das 155 operações regulares realizadas pelas companhias Gol, Azul e Latam

FATALIDADE: Cantor baiano morre após cair da varanda de casa

POR: VN

O cantor e compositor baiano Edilson Dhio morreu na última segunda-feira (26), após cair da varanda de casa no município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. O artista chegou a ser socorrido e apresentou uma leve melhora no quadro de saúde, porém não resistiu aos ferimentos.

Dhio ficou reconhecido após compor o jingle da TV Sudoeste, afiliada da TV Bahia. O sepultamento do artista ocorreu na última terça-feira (27), no Jardim da Saudades.

Em nota, a Prefeitura de Vitória da Conquista lamentou o falecimento do músico conquistense e se solidarizou com os familiares e amigos.

Relembre a música!

ILHÉUS: Familiares de crianças que morreram no Hospital Vida Memorial fazem protesto

POR: GUSMÃO

Familiares de crianças que morreram no Hospital Vida Memorial, pactuado pela secretaria de saúde de Ilhéus, protestaram na tarde desta quarta-feira, 28, nas ruas do Centro e na Câmara de Vereadores.

O objetivo foi chamar a atenção da cidade para o atendimento pediátrico de qualidade duvidosa prestado pelo governo Mário Alexandre. Os manifestantes também pediram a exoneração do secretário municipal de saúde, Geraldo Magela, e a instalação de uma UTI neonatal.

No início deste mês de agosto, dois meninos (Leon e Lorenzo) faleceram nas dependências do hospital em circunstâncias ainda não explicadas pela secretaria municipal de saúde. Geraldo Magela disse ao BG que iria designar técnicos da secretaria de saúde para investigar os óbitos. O Diário Oficial do Município não publicou qualquer ato administrativo nesse sentido.

Tentamos ouvir o secretário sobre o protesto, mas ele não respondeu nossas mensagens.Também entramos em contato com a direção do Vida Memorial e aguardamos retorno.

Segundo Uildson Nascimento, ex-diretor de planejamento da secretaria de saúde e crítico ferrenho de Magela, o secretário “não tem autonomia e se porta como ventríloquo uma vez que cumpre tarefas pré-determinadas”.

Segundo o ex-diretor, Magela é apadrinhado do secretário estadual de saúde, Fabio Vilas-Boas, por isso, Marão tem medo de exonerá-lo.

Morte de crianças causa indignação.

 


IBGE: Apenas Ilhéus teve perda de habitantes entre os 10 municípios mais populosos da Bahia

POR: O Tabuleiro

A estimativa da população brasileira divulgada nesta quarta-feira (28) mostrou que entre os 10 mais populosos municípios baianos apenas Ilhéus teve perda de habitantes. A cidade do Litoral Sul baiano diminuiu cerca de 1,52% da população. Em 2018, a estimativa era de 164.844 e neste ano ficou em 162.327. A capital baiana Salvador teve aumento de 0,52%, saindo de 2.857.329 para 2.872.347 em 2019.

O segundo município mais populoso, Feira de Santana, aumentou de 609.913 para atuais 614.872, acréscimo de 0,83%. A terceira cidade com mais moradores no estado, Vitória da Conquista, teve 0,80% de crescimento. Saiu de 338.885 para 341.597 habitantes.

A lista segue como Camaçari (+1,84% e população atual de 299.132), Juazeiro (+0,70% população atual de 216.707), Itabuna (+0,22% pop. atual de 213.223), Lauro de Freitas (+1,71% pop. atual de 198.440), Ilhéus (-1,52% pop. atual de 162.327),Teixeira de Freitas (+1,3%  pop. atual de 160.487)e Jequié (+0,10% pop. atual de 155.800).

As estimativas do IBGE são projeções feitas pelo instituto divulgadas ano a ano. O Censo Demográfico previsto para 2020 deve revelar dados mais precisos sobre as populações. No método, agentes censitários percorrem as cidades e fazem a contagem dos habitantes.

IBGE: Brasil ultrapassou a marca de 210 milhões de habitantes

A população do Brasil ultrapassou a marca de 210 milhões de habitantes, de acordo com dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicados nesta quarta-feira pelo Diário Oficial da União. A estimativa considera o total de habitantes nos estados e municípios em 1º de julho de 2019.

O novo total (de 210.147.125 habitantes) representa uma alta de 0,79% em relação às informações obtidas pelo IBGE no ano passado. Em 2018, a estimativa era de que o país abrigava 208,5 milhões de pessoas.

O crescimento identificado este ano foi menor do que o registrado entre 2017 e 2018 (0,82%). Dos 5.570 municípios do país, 28,6% apresentaram redução populacional no último ano. E aproximadamente metade deles (49,6%) cresceu entre zero e 1%. O restante (4,8%) apresentou alta igual ou superior a 2%.

As maiores reduções ocorreram nos municípios de Mulungu (no Ceará, -16%), Japurá (no Amazonas, -15,6%) e Ferreiros (em Pernambuco, -15,6%).

Na divisão por regiões, a mais populosa é a Sudeste (88,3 milhões de habitantes), seguida pelo Nordeste (57 milhões); Sul (29,7 milhões); Norte (18,4 milhões) e Centro-Oeste (16,2 milhões).

O IBGE divulgou ainda a projeção populacional estimada para cada unidade da federação.

São Paulo, o estado com a população mais numerosa do país, teve uma alta de 0,83% e chegou à projeção de 45,9 milhões de habitantes (no ano passado, havia 45,5 milhões). O território paulista concentra 21,9% do total de habitantes do país.

Segundo estado mais populoso, Minas Gerais atingiu projeção de 21,16 milhões de pessoas (eram 21,04 milhões em 2018). A estimativa cresceu 0,61% entre os mineiros.

Rio de Janeiro, o terceiro colocado, abriga 17,26 milhões, de acordo com a projeção. Há um ano, o número era de 17,15 milhões (houve crescimento de 0,61%). A Bahia, quarta unidade mais populosa, tem projeção de 14,87 milhões — o equivalente a uma alta de 0,41% em relação a 2018, quando o número foi de 14,81 milhões.

A unidade da federação menos populosa é Roraima, com 605,7 mil cidadãos atualmente (o equivalente a 0,3% do total de habitantes do país). Houve, no entanto, um crescimento significativo em relação a 2018, quando o estado tinha 576,5 mil habitantes. Uma das razões para o aumento de 5,1% — o maior entre todos os estados — seria o fluxo migratório, já que Roraima tem recebido muito venezuelanos.

Também na região Norte, junto com Roraima, estão os outros dois estados menos populosos: o Acre (com 881,9 mil pessoas) e o Amapá (845,7 mil pessoas).

Em relação aos municípios, a projeção do IBGE identificou que as 27 capitais dos estados reúnem 23,86% da população brasileira — o equivalente a mais de 50 milhões de pessoas.

A capital mais populosa é São Paulo (12,2 milhões de pessoas), seguida por Rio de Janeiro (6,71 milhões); Brasília (3 milhões); Salvador (2,8 milhões); Fortaleza (2,6 milhões); Belo Horizonte (2,5 milhões); Manaus (2,1 milhões); Curitiba (1,9 milhão); Recife (1,6 milhão); Goiânia (1,5 milhão) Belém (1,4 milhão); Porto Alegre (1,4 milhão); São Luis (1,1 milhão) e Maceió (1,01 milhão).

O restante das capitais tem menos de 1 milhão de habitantes. A menor delas é Palmas, no Tocantins, com 299,1 mil pessoas (2,49% a mais do que em 2018). Capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre é a 12ª mais populosa e teve o menor crescimento este ano entre as 27 (0,32%). A alta mais expressiva ocorreu em Boa Vista, em Roraima (6,35%).

Entre os 17 municípios que ultrapassam a marca de 1 milhão de habitantes, 14 são capitais. Também integram a lista: Guarulhos (na região metropolitana de São Paulo, com 1,37 milhão de pessoas); Campinas (no interior paulista, com 1,2 milhão) e São Gonçalo (na região metropolitana do Rio, com 1,08 milhão).

A lista de municípios mais populosos inclui ainda, acima da marca de 500 mil habitantes, São Bernardo do Campo e Santo André, com 838,9 mil e 718,7 mil habitantes, respectivamente. Os dois municípios integram a região metropolitana de São Paulo, a maior do país, com 21,7 milhões de habitantes.

Na região metropolitana do Rio, a segunda maior, vivem 12,8 milhões de pessoas. Nela, estão localizados dois dos municípios mais populosos do país: Duque de Caxias e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, com 919,5 mil e 821,1 mil pessoas, respectivamente.

Entre os locais em que há menos habitantes, o IBGE destaca as projeções de três municípios: Serra da Saudade (em Minas Gerais, com 781 pessoas), Araguainha (MT, com 935) e Borá (em São Paulo, com 837).

‘La Casa de Papel’: Netflix relança episódios com participação de Neymar

Nada de futebol, desta vez. Agora, Neymar se tornou monge… pelo menos em La Casa de Papel. Nesta terça-feira, 27, a Netflix relançou dois episódios da terceira temporada da série, cuja estreia ocorreu em julho, com a participação especial do craque como o monge João.

O jogador aparece no sexto episódio, a partir dos 3min53s, e no último, a partir do 1min59s. Ambas participações ocorrem durante flashbacks, quando Berlim (Pedro Alonso) e Professor (Álvaro Morte) estão em um mosteiro na cidade de Florença, na Itália, elaborando o plano do magistral – ou nem tanto – assalto ao Banco da Espanha.

Na segunda cena em que aparece, o monge João revela a Berlim suas origens paulistas. O bandido, deslumbrado, dispara uma série de elogios ao Brasil e a conversa começa a esbarrar na vida real de Neymar. “As festas, a magia, o futebol…”, diz Berlim sobre o país. “Não gosto de futebol, nem de festa”, responde o monge. “Mas sabe que tipo de futebol o Brasil joga”, continua o criminoso, ao que o personagem de Neymar completa “(Futebol) bonito”. Berlim concorda. “Exato. Jogam bonito, sem medo. Não pensam no que pode dar errado.”

O astro usou o Twitter para agradecer a oportunidade, junto com um vídeo no qual aparece tirando a famosa máscara de Salvador Dalí, símbolo registrado da gangue de bandidos da produção.

Em maio, o ator divulgou uma foto ao lado dos atores de La Casa de Papel Jaime Lorente e María Pedraza – Denver e Alison Parker, respectivamente. A dupla também está no elenco principal de Elite, produção da Netflix que acompanha a rotina dos alunos de uma escola privada na Espanha.











rl consultoria




web